terça-feira, 28 de outubro de 2008

Re: Ode à Impessoalidade

24/10/2008 - 18:45 - Linha Verde / Metrô de São Paulo

Trens lotados devido ao horário. Muito empurra-empurra. O sinal de luz na porta pisca algumas vezes, acompanhado da campanhia típica.
As pessoas se amontoam, mas dessa vez - também pelo horário - algumas conversam com as outras. Não que conversem com algum desconhecido que tivesse sentado ao lado, mas pelo menos dessa vez ouvem-se vozes.
O auto-falante do vagão chia um pouco:

- Próxima estação, Brigadeiro. Senhores passageiros, carreguem suas mochilas e pertences nas mão para evitar acidentes.

Alguns minutos de silêncio e então um homem meio calvo olha para a moça sentada a sua frente:

- Pluraaaalllll!!!!

Em poucos segundos, pelo menos metade do vagão lotado dava risadas e comentava o erro do locutor no auto-falante. Pessoas que nunca se viram, rindo juntas pelo mesmo motivo.
A campanhia típica toca de novo, o riso cessa, algumas pessoas descem, outras sobem, mais ninguem se lembra de olhar para a pessoa ao lado.
Dessa vez, pelo menos, o pouco de humanidade que ainda teima em tentar unir as pessoas acenou no meio da impessoalidade.
Talvez haja salvação...

Um comentário:

René Moraes - Ele mesmo. disse...

Celso, primeiramente, valeu pelo carinho!
E, segundamente, AHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAAHAHHAAHHAHAHAHAHAHAHAHAHHHHAHHAHAH
muito espontâneo o sr. meio calvo!
abraços